FUNVIC deu show na Argentina!

O Tour de San Luis terminou em fanfarra para a melhor equipe de ciclismo do Brasil! A FUNVIC Pindamonhangaba fez dobradinha no sprint do pelotão!

B-R-A-S-I-L !!! Bem, deu Brasil, mas há controvérsias...

1 Hector Aguilar (Uru) Funvic-Pindamonhangaba 3:45:55  
2 Marco Crespo (Arg) Funvic-Pindamonhangaba    
3 Mauro Richeze (Arg) Argentina    
4 Bernardo Riccio (Ita) D’Angelo & Antenucci    
5 Roberto Ferrari (Ita) Androni-Giocattoli  

Só que, como já deu pra notar, não foram brasileiros. É obvio que é melhor vencer com os estrangeiros da equipe do que não vencer nada, mas o retorno que isto dá na grande mídia é bem diferente.

Exemplo: quando o Paolo Bettini vencia uma etapa no Giro d’Italia a imprensa belga não estava nem aí, mesmo ele correndo pela Quick-Step. Agora, quando o Phillipe Gilbert vencia qualquer coisa correndo pela francesa Française des Jeux era aquela festa.

PS: raciocínio válido para as grandes nações do ciclismo (e.g. Bélgica, Itália, Espanha, etc.) e não para Dinamarca, Holanda (a atual Holanda…), etc.

A mídia – e nós – gostamos e valorizamos feitos dos nossos compatriotas. É isso, salvo melhor juízo, que faz o ciclismo local – de qualquer país – crescer. Ou não?

Leandro Bittar – “Funvic-Pinda fez dobradinha no Tour de San Luis. Vitória do uruguaio Hector Aguilar, seguido pelo argento Marcos Crespo. O curioso é que o campeão da prova, o chileno Marcos Arriagada estaria na equipe brasileira, mas foi desligado pouco antes da Copa América. Os gringos brilham no ano de seletiva olímpica e reacedem a discussão sobre a presença deles na disputa pelos pontos do ranking.”

E o nosso jornalista top de ciclismo, Leandro Bittar, nos convida para outra reflexão via Facebook.

Com a palavra vocês, os comentaristas!

Abraços, F.

About Fernando Blanco

Apaixonado por ciclismo há mais de 30 anos, começou a pedalar em 1977 em Santos, tendo corrido para valer até os 20 anos de idade, quando coisas 'banais' como faculdade, carreira executiva, casamentos e filhos atrapalharam um pouco...agora, como Senior B, está treinando forte e pretende compensar o tempo perdido. Como ciclista foi um bom sprinter, chegando à pré-convocação da Seleção Brasileiros de Juniores em 1979. Se a carreira como ciclista não foi grande coisa, a coleção de revistas locais e internacionais (mais de 1.000) e de videos/DVDs (mais de 100) proveram bastante cultura sobre o ciclismo profissional. Provas internacionais acompanhadas ao vivo: Mundial de Estrada ('07), Mundial de Pista ('89), Tour de France ('97 e '02), Liège-Bastogne-Liège e Flèche Wallone (ambas em '92), Paris-Nice ('97), Ronde van Belgie (´89).
This entry was posted in Corridas - Internacional, Equipes, Notícias - Internacional, Opinião and tagged , , . Bookmark the permalink.

6 Responses to FUNVIC deu show na Argentina!

  1. Rogério Yokoyama-Palmas-TO says:

    Fazendo um comparativo com o futebol, os argentinos também nem ligam se foi o time A ou B da europa quem ganhou, mas se , por acaso, algum compatriota deles fez um gol.
    Portanto, creio que seja assim mesmo, independente do esporte em questão.
    Sobre se é positivo ou não (se faz o ciclismo local crescer ou não) creio que é válido sim, pois estes atletas (estrangeiros) trazem experiência e motivação para os cilcistas brasileiros.

  2. Leandro Bittar says:

    Obrigado pela citação, Fernando!
    Essa é uma discussão que ganha proporção em ano de seletiva olímpica e a primeira prova do calendário trouxe isso à tona.

    Seu raciocínio é perfeito. A Espanha vibra mais com o título de Contador no Tour do que o Cazaquistão. Mas quantos cazaques não tem a chance de crescer com a vitória dele, competindo em alto nível?
    Falando em futebol, o raciocínio é parecido. Mas o Real Madrid é o time mais desejado do mundo – e com maior número de Champions League – com a presença fundamental dos estrangeiros. O Manchester é o mais rico com a ajuda de franceses como Cantona. Os corintianos todos foram Tevez e mais 10 no Bra-05.
    O clube ganha muito com a presença dos estrangeiros. Os ciclistas nacionais tb ganham. O Simon agora é treinador do time Padaria Real-Sorocaba, Chamorro se naturalizou…

    No pelotão nacional, é muito complicado para o ciclista lutar pelos pontos do ranking e não disputar as provas importantes já que os ciclistas que estão na Europa têm sempre preferência. O último mundial foi a prova disso, quando a CBC dispensou duas vagas e só levou o Murilo. Mas quem conquistou a vaga? O Murilo tem que ir, mas se vc tem mais 2 vagas dê uma motivação aos atletas daqui.

    Pinda foi campeã do ranking América Tour no ano passado com os pontos de Simon e Arriagada, mas também brilharam Magno Prado, Fiorilli e Roberto Pinheiro…Há espaço para todo mundo e a equipe não pode mudar tudo por causa dos Jogos Olímpicos – onde, possivelmente, o time não estará representado.

  3. Juca says:

    Bom de ver uma equipe do Brasil fazer 1-2 em uma prova como essa, talvez isso deixe os patrocinadores mais empolgados a investirem no ciclismo. Mas o bome prazeros mesmo seria se os brasileiros ganhassem! igual foi dito pelo santista ae em cima (e até acrescento equipes francesas que vivem sob a espada de Dâmocles durante o Tour de France) existe essa questão da midia de um ais que sempre quer ver os atletas do pais ganharem algo!

  4. Juca says:

    Menção honrosa… aos 39 anos Armstrong aposenta-se de provas internacionais!

  5. …grande resultado da FUNVIC, o que vale é a camisa-agremiação, estão de parabéns pelo belo trabalho…

  6. Henrique d'Avila says:

    Comente ai no caso Contador… o negócio vai chegar em alguma resolução logo

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s