Que foto é essa? Escreva o post! 2a Etapa

Caros – começou a segunda etapa do nosso Tour des Photos. O objetivo é que vocês escrevam o post a partir desta foto e de todos os elementos que cercaram este evento. Dicas:

  • Prova, local, participantes de destaque, classificação
  • Acontecimentos antes, durante e depois da prova

PS: e há consideráveis acontecimentos para comentar…

O Juca é Maillot Jaune até o momento, com 5 pontos, por vencer a 1a.etapa. Decisão final na noite de 6af!

Abraços + bom sprint!

Fernando

About Fernando Blanco

Apaixonado por ciclismo há mais de 30 anos, começou a pedalar em 1977 em Santos, tendo corrido para valer até os 20 anos de idade, quando coisas 'banais' como faculdade, carreira executiva, casamentos e filhos atrapalharam um pouco...agora, como Senior B, está treinando forte e pretende compensar o tempo perdido. Como ciclista foi um bom sprinter, chegando à pré-convocação da Seleção Brasileiros de Juniores em 1979. Se a carreira como ciclista não foi grande coisa, a coleção de revistas locais e internacionais (mais de 1.000) e de videos/DVDs (mais de 100) proveram bastante cultura sobre o ciclismo profissional. Provas internacionais acompanhadas ao vivo: Mundial de Estrada ('07), Mundial de Pista ('89), Tour de France ('97 e '02), Liège-Bastogne-Liège e Flèche Wallone (ambas em '92), Paris-Nice ('97), Ronde van Belgie (´89).
This entry was posted in Que foto é essa?. Bookmark the permalink.

8 Responses to Que foto é essa? Escreva o post! 2a Etapa

  1. José Carlos SBC/SP says:

    Vou arriscar uns pontos no sprint, rssss
    Mundial de 1981 – Praga
    1º Freddy Maertens
    2º G.Saronni
    3º B.Hinault

    • Fugiu na bandeirada, JC, e abriu terreno! Mas é etapa longa, tem um bocado de ‘causos’ aí…tenta mais, senão o pelotão te pega e tem o sprinter Juca…🙂 Valeu + abraço!

  2. José Carlos SBC/SP says:

    Paaara Fernando, só acompanho o ciclismo ha 1 ano e meio, sou café com leite no meios desas feras que comentam aqui.
    Quando vi a foto, se não me engano, lembrei dum comentário seu que o Cippolini era o cara , mas vc preferia o Freddy Maertens, hehehe, fui direto nele.
    Pura sorte até agora.

    • Pois para quem começou faz tão pouco tempo você sabe muito! Eu tenho…humm…34 anos de ciclismo, fora a coleção de revistas dos anos 70, que eu ganhei do Eduardo Venturelli, um grande ciclista da época….

      Com 1,5 ano de esporte eu não sabia uma fração do que você sabe hoje, então está de parabéns!

  3. Juca says:

    Enquanto eu fiquei vendo a derrota do “curintia” e cornetando o Fernando no Facebook…os caras estavam aqui na fuga!

    Ao contrário do circuito lento com ruas estreitas e com trepidações de Sallanches (França) no ano anterior, neste ano o circuito favorecia a “squadra azzura” com suas ruas largas e velozes e a “azzurra”vinha com força para o sprint com Giuseppe Saronni fazendo uma grande corrida… no sprint Panizza embalou e depois Baronchelli, que segundo as más linguas deixou Saronni “ao vento” e Freddy Maertens como um ogro despendeu toda força para mais uma vez derrotar um italiano em um mundial, relembrando 1876, quando derrotou o grande Francesco “Cecco” Moser em Ostuni na Itália e o pior com toda torcida italiana vendo tudo! Mas a vingança de Saronni viria no ano seguinte, quando ganharia a camisa arco-íris em Goodwood (Grã-Bretanha).

  4. Juca says:

    Depois disto os críticos começaram a questionar seus feitos dizendo que Maertens usava algum tipo de droga que não detectável e que sua urina era um tipo de veneno verde!

    • Aê Juca, aproveitou a subida, sprintou, escapou e abriu do JC. Mas o pelotão ainda tem mais de 24 horas para te alcançar.

      Eu preciso escrever um post definitivo sobre o Freddy Maertens…ele é o meu grande ídolo do esporte (quando eu comecei a ler sobre ciclismo, em 78, ele venceu 2 estapas do Tour no sprint e a camisa verde). Depois fui pesquisar sobre a vida dele, li 2x a biografia dele (‘Fall from Grace’), culminando com a visita que fiz a ele no Wielermuseum, em Roeselare (entrevistei, tirei fotos, etc.)…

      Sim, a urina dele era verde, radioativa, etc…palavras dele para mim!! Entre outras confissões…me aguardem!

  5. José Carlos SBC/SP says:

    OGRO: Um monstro normalmente representado como um gigante horrendo que se alimenta de carne humana. Não é um apelido lisonjeiro, mas, neste caso, é digna do grande velocista belga Freddy Maertens.
    Ele foi um dos poucos que desafiava o Canibal que acabara e ser alçado a novo Deus na Belgica após o TdF de 69.
    Maertens se tornou profissional após a Olimpíada de 1972, onde terminou em 13 º. O jovem e talentoso Maertens chateado com o público, culpando Merckx para sua derrota no Campeonato do Mundo de 1973 em Barcelona. Poderia ser uma competição entre Campagnolo e Shimano? “Ele deve ter decidido que Gimondi faria um melhor vencedor. E isso é simplesmente porque Felice Gimondi,
    como Merckx, andava com Campagnolo. Eu andava de Shimano. Tullio Campagnolo chamou Walter Godefroot e passou a mensagem de que sob nenhuma circunstância o campeonato do mundo seria conquistado por um “cavaleiro Shimano”, afirmou Maertens.

    Durante suas primeiros três temporadas como profissional, ele conquistou 80 vitórias e todo mundo sabia que ele tinha talento para competir com Merckx. Maertens só tinha um caminho a percorrer, o mesmo caminho de Merckx. Ele fez, e o seu palmares cresceu com grandes vitórias como: Gent-Wevelgem (’75 ‘,
    76), Paris-Bruxelas (75), Paris-Tours (75), Amstel Gold Race (76), e Züri-Metzgete (76). Em 1976, Maertens acumulou 54 vitórias, e terminou em 8 º no Tour de França com 8 vitórias em etapas igualando o recorde e vestindo facilmente a camisa verde de melhor sprinter, inclusive mostrando que era o rei contra o relógio, ganhando 3 das 4 etapas ITT. No Mundial 1976 em Ostuni, Itália, ele mostrou o seu sprint batendo clássico Francesco Moser.
    Na Vuelta 77 ele esmagou seus adversários à La Merckx, vencendo a geral, classificação por pontos, e 13 dos 19 estágios. Esse ano, o Giro foi o calcanhar de Aquiles. Ele venceu sete etapas, mas uma queda no autódromo de Mugello forçou a sair com um pulso quebrado. Este foi um precursor do fim de sua carreira. Maertens alcançou 53 vitórias nessa temporada 1977, levando a admitir que Merckx foi o maior piloto do pelotão. Em seguida, sua carreira entrou em parafuso. As Vitórias foram poucas e distantes entre si. Em 1978, ele ganhou apenas 18 corridas, mas ele conseguiu conquistar a sua segunda camisa verde, incluindo duas vitórias na etapa do Tour. Aliás, essa turnê se transformou em um choque com a equipe de Velda-Flandria se desfazendo devido à expulsão de Michel Pollentier de ser pego tentando fornecer a urina de outro como sua durante um exame.
    Nesse momento, Maertens sofria com tendinite nos joelhos e problemas com o tendão de Aquiles. Então, ele desapareceu e de repente reaparece no Tour de 1981, fulminante. Ele literalmente voltou como o monstro dos mortos. Na nova equipe Colnago-Sport 80 Sunair mostrou sua força e mais uma vez, dominou os sprints, garantindo sua terceira camisa verde, ganhando cinco etapas, incluindo o prestigiado estágio final no Champs-Élysées. Para fechar com chave de ouro, ele venceu o mundial de Praga no sprint com Saroni e Hinault completando o pódio.
    Mas não era tudo rosas, os críticos começaram a questionar o seu novo sucesso e os boatos foram se espalhando pelo mundo do ciclismo. Ele estava usando drogas, que não pôde ser detectado pelos testes de doping.
    Alguns até disseram que a urina era veneno verde e ele corria chapado. A dúvida constante, em conjunto, a sua lesão no pulso persistente, as pressões e o estresse levou sua carreira para um fim lento, ele retornou com equipes sem brilho e finalmente, se aposentou em 1987.
    Sua autobiografia foi publicada, um relato de como o mundo do ciclismo com ciúmes foi colocado frente a ele. Ele estava convencido de que certas pessoas invejosas, colocaram um “feitiço” sobre ele, e como resultado, ele havia passado por tratamento por … “exorcistas”. Só Freddy Maertens (ou Fernando Blanco talvez, hehehe) saberia dizer se os demônios foram eliminados – nunca saberemos. Uma coisa sabemos, que o seu estilo de pedalar o colocou como um dos maiores velocistas de todos os tempos!

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s