Sociologia e Geografia do Ciclismo Brasileiro

Esta sequência de posts formará um capítulo do futuro livro sobre ciclismo que escreverei… e que espero que vocês comprem!! rsrsrs

Primeiramente, um dos poucos – senão o único – aspectos em que o nosso ciclismo é similar aos melhores do mundo: a maioria dos ciclistas de ponta não vêm das grandes capitais, mas sim de cidades do interior. Merckx, Coppi, Anquetil, Hinault, Indurain, Lemond, Armstrong, etc. (incluindo todos os grandes ciclistas de Clássicos), nasceram longe das capitais de seus países ou até dos seus Estados ou Províncias.

Como toda regra tem sua exceção, Laurent Fignon era considerado “parisiense” só porque nasceu em Paris. No entanto, ele viveu em Tournan-en-Brie (que, apesar de perto de Paris, tem hoje pouco mais de 8 mil habitantes) dos 3 aos 18 anos, período em que construiu a base da sua brilhante carreira ciclística.

Fignon menino: "Em Paris o transito era ruim e o croissant muito caro!"

No Brasil é igual. É difícil achar grandes (e nem tão grandes) ciclistas nascidos e criados em São Paulo, Brasília, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Curitiba ou Porto Alegre. E olha que no Brasil o poder econômico e as provas ciclísticas sempre foram altamente concentradas nas grandes capitais. Os motivos são vários, mas simples de se entender:

  1. O transito das grandes cidades não incentiva a prática do ciclismo – falta lugar para treinar, enquanto que no interior as estradas tranquilas estão nas portas das casas
  2. Nas grandes cidades há muitas e grandes distrações para qualquer jovem, aumentando a “concorrência” para a prática de um esporte tão duro
  3. A vida dura do campom, em especial para quem vive da agricultura, mais a falta de opções de entretenimento, é um incentivo para os jovens procurarem outras ocupações, sendo o ciclismo uma delas
  4. As capitais têm renda mais elevada – na média – e gente com grana, em geral, não se aproxima de um esporte tão duro e popular. E no caso do Brasil o ciclismo nem sequer confere prestígio aos campeões

Em suma, o ciclismo é um esporte de gente simples e que tem sotaque caipira. Aqui e no mundo. Hoje e sempre.

Migrações internas – mesmo após tornar-se um grande campeão, Miguel Indurain continuou vivendo na sonolenta Villava, que tem 10 mil habitantes (hoje!) e fica na tranqüila Navarra. Ele não se mudou para Madrid após ser contratado pela Reynolds (que depois virou Banesto).

Na Europa é assim. O sujeito continua morando onde sempre morou. Dia de corrida? Pega um trem ou avião, ou vai de carro. Treino? Treina com seus amigos de sempre: o Indurain pentacampeão do Tour, vestido com o seu épico uniforme Banesto, treinou com seus amigos de clubes locais durante todos estes anos. Umas poucas vezes por ano a equipe se junta para os famosos training camps, além dos encontros poucos dias antes das grandes provas. Fora isso, cada um na sua casa.

Aqui não era assim. Nos anos 70 e 80, quando Caloi e Pirelli contratavam todos os talentos do ciclismo brasileiro, estes jovens eram obrigados a vir morar em São Paulo (Caloi) e Santo André (Pirelli), longe da família e amigos, em alojamentos sem o conforto ideal. A lógica era: “para a equipe funcionar tem que morar junto e treinar junto todo dia”.

Origens – o ciclismo é um esporte majoritariamente europeu (desde sempre). Nada mais natural que ele tenha se popularizado através de imigrantes e seus filhos e netos. Por exemplo, até os anos 70 havia a famosa Corrida dos Imigrantes em São Paulo, quando Venturelli tirava o uniforme da Pirelli e Ronchini do Rio Branco de Americana, para vestirem o uniforme da Itália.

Foto histórica da "Seleção Italiana" de ciclismo: Moser e Saronni não puderam correr neste dia...mas Faez, Cavalcanti, Ronchini vieram...

Hoje em dia, o jovem ciclista brasileiro é bisneto ou tataraneto de um europeu e, portanto, não guarda grandes laços com tais raízes. Desta forma a cultura do ciclismo europeu não mais passa para os jovens. Em outras palavras, hoje em dia, quem gosta de ciclismo é porque viu uma corrida aqui ou alí e não porque ouviu estórias do avô…com eu! Neto de espanhol, que foi ciclista em Santos e dono da primeira Bianchi da Baixada Santista, em 1932. Isto explica um bocado de coisas, não?

Consequência destas origens era o fato de que o pelotão brasileiro, até os anos 80, era majoritariamente de…caucasianos (gente de pele branca). Mulatos e negros eram tão poucos, que recebiam apelidos do genêro:

  • Joaracy Mariano de Barros – grande ciclista do Guarany de Campinas, vencedor do Ranking Paulista de 1977, Seleção Brasileira, etc. Era chamado de “Baianinho”, porque era mulato
  • José Salvador de Abreu – outro grande, da Pirelli, já nos 80. Igualmente mulato, era chamado de “Baiano”
  • Sergio de Carvalho Jr (meu grande amigo na época e parceiro de Jabaquara A.C.) – negro, era chamado de “Negão”

Notem que naqueles anos não existia esta questão do “políticamente correto”. Havia racismo em todos os campos da vida social, mas isto é outra história. Estes três ciclistas eram muitíssimo respeitados e, com graus diferentes, queridos (o Sergio principalmente).

Hoje em dia o nosso pelotão é, racialmente falando, muito mais próximo do perfil da população brasileira. Não existe qualquer pesquisa ou estatística a este respeito, mas a diferença é tão gritante – para quem viveu aqueles dias e ainda está na ativa -, que posso afirmar sem medo de errar ou exagerar.

Em tempo, eu tenho uma visão muito positiva desta mudança. Olhando agora, com o passar dos anos, o ciclismo era um esporte mais elitista e vivia num mundinho todo próprio. Hoje não, pois está presente em todos cantos do país e das cidades, incluindo suas zonas mais humildes. Exemplo disso é o que acontece aqui em São Paulo, na Zona Sul, área que revela muitos ciclistas, apesar de ser economicamente mais frágil.

É isso. Amanhã tem mais, quando falarei das regiões pelo Brasil.

Abraços, F.

About Fernando Blanco

Apaixonado por ciclismo há mais de 30 anos, começou a pedalar em 1977 em Santos, tendo corrido para valer até os 20 anos de idade, quando coisas 'banais' como faculdade, carreira executiva, casamentos e filhos atrapalharam um pouco...agora, como Senior B, está treinando forte e pretende compensar o tempo perdido. Como ciclista foi um bom sprinter, chegando à pré-convocação da Seleção Brasileiros de Juniores em 1979. Se a carreira como ciclista não foi grande coisa, a coleção de revistas locais e internacionais (mais de 1.000) e de videos/DVDs (mais de 100) proveram bastante cultura sobre o ciclismo profissional. Provas internacionais acompanhadas ao vivo: Mundial de Estrada ('07), Mundial de Pista ('89), Tour de France ('97 e '02), Liège-Bastogne-Liège e Flèche Wallone (ambas em '92), Paris-Nice ('97), Ronde van Belgie (´89).
This entry was posted in Cultura Ciclística. Bookmark the permalink.

12 Responses to Sociologia e Geografia do Ciclismo Brasileiro

  1. Rogério Yokoyama-Palmas/TO says:

    Macapá/AP e o sul do Pará tem um ciclismo bastante agitado. Exemplo maior é o Geraldo Neto, que ganhou no ano passado uma dessas copas da Rede Globo. Mato Grosso do Sul também.

  2. FABIO GUZZI says:

    Fala Fernando , mais um grande post .
    Quando sair seu livro me avise que quero um autografado na capa , ai te mando depósito e vc me manda um com dedicatória .
    Grande abraço !!!

  3. Gustavo says:

    Prezado Fernando,
    Escreva sim o livro ! com certeza eu serei um dos compradores e divulgadores. Caramba, com o conhecimento que você tem da história do nosso ciclismo tupiniquim, bem como do ciclismo mundial, com certeza preencherá uma enorme lacuna hoje existente na nossa bibliografia esportiva. Mais uma vez parabéns pelos excelentes “posts”, com essas histórias deliciosas do ciclismo brasileiro e mundial !
    Abraço, do
    Gustavo

  4. Bortolin Furlanetto says:

    Excelente post!

  5. Paulo Gibertoni says:

    Muito boa, idéia de escrever um livro, com certeza vou querer um, mas não esqueça de fotos, pois o nosso esporte é dos mais belo para se ilustrar.
    abraços
    Gibertoni
    Santos/SP

  6. Leandro Bittar says:

    Excelente, Fernando!
    É ótima a ideia do livro. Não deixe na gaveta…

  7. Caro Fernado meus parabéns, texto apaixonante. Incrível. Eu amo pedalar, fazia mountain bike, faz tempo que parei e volta so esporte em breve. Olha, até quem por algum motiva odeia bicicleta passa a amá-la quando lê este texto. Ganhou um fiel leitor. Grande abraço.

  8. Pingback: Sociologia e Geografia do Ciclismo Brasileiro Portal Cwb

  9. Marcione Krai says:

    …estou esperando esse teu livro sobre o ciclismo brasileiro e seus ciclistas, não esquece aqui do Rio Grande do Sul, e também da influência do ciclismo uruguaio no nosso país.
    Outra coisa, tu conhece uma prova que ocorre no norte do Uruguai(500 millas del norte) é muito legal e tem um monte de histórias vitoriosas com nossos ciclistas, é muito legal.

  10. Evandro oliveira says:

    OLá Fernando,
    Nos anos 90 Brasilia teve um grande sprinter que competia pela Caloi e chegou a vencer varias provas no chile, uruguay e venezuela e foi Campeao Sulameircano neste Pais, Jamil Suaidem. Em Minas Gilson Rangel que tambem passou pela Caloi. Sao Paulo Claudio Rosa José de Carvalho o Zé bica ex técnico da pirelli,Luis Carlos flores que chegou a ser vice Campeao Mundial no Uruguay no Passado. Rio Grande do Sul tem os Irmaos Morandi . SC Soelito Ghor passou varias vezes pela seleçao principal e Bi Campeao Mundial Paraolimpico. Em Santos Luis Carvalhau grande sprinter. Em Cascavel José aparecido dos santos (Zezinho) E o papaleguas. Em Marechal Candido Rondon Pr ,Renato Rohsler. O José Reginaldo cardoso (Batateiro de Batatais)

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s