Começou a “Semana Santa” Flamenga!

Caros – sem qualquer blasfêmia a esta importante tradição católica, é assim que os próprios belgas católicos tratam esta semana que antecede o Tour de Flandres/Ronde van Vlaanderen.

Estamos falando de uma série de provas que incluem Monumento, Clássicas e Semi-clássicas, todas elas corridas exclusivamente em estradas estreitas do território flamengo (onde se fala um holandês mais formal – seria como o português de Portugal para nós), recheadas de ‘berg’ (monte) e ‘kassen’ (paralelepipedo, em português – ou ‘pavés‘, em frances, ou ‘cobbles’ em inglês).

O clima é outra característica marcante destas provas: é normal chover, é sempre frio e venta muito. Estamos falando de corridas muito próximas do Mar do Norte, que é uma região do nosso planeta em que venta muito….

São provas para ciclistas fortes: não interessa se rolam forte, sprintam rápido ou escalam bem. Eles precisam ser fortes, rudes, incansáveis, aptos e dispostos a sofrer. Não há pausa. As muitas subidas curtas e inclinadas estimulam ataques tão explosivos quanto constantes. Os ‘kassen’ maltratam a musculatura e a bicicleta – furos de pneus são frequentes (ainda que a tecnologia tenha reduzido a sua incidência). Enfim, ali não ganha ciclista banana, aproveitador. Pode até ter zebra vencedora, mas é zebra forte como búfalo!

Um ‘affair’ doméstico – para os belgas flamengos, vencer nesta semana (incluindo a francesa-quase-belga Paris-Roubaix) é tão ou mais importante do que vencer Etapas do Tour de France. Apenas o Campeonato Mundial rivaliza em prestígio com o Tour de Flandres.

As equipes belgas são sempre montadas tendo-se em mente a vitória no Ronde van Vlaanderen e suas ‘irmãs menores’. A rivalidade entre elas (Quick Step e Omega Pharma) é enorme o ano todo, mas nestes dias se exacerba. E sempre foi assim. Nos anos 70, quando a Bélgica tinha várias grandes equipes era Brooklyn (De Vlaeminck) x Flandria (Maertens) x Ijsboerk (Goodefroot) x Faema ou Molteni (Merckx), etc., etc. Briga de vários cachorros grandes.

De vez em quando surge um fenomeno estrangeiro no Ronde, como o italiano Fiorenzo Magni (tricampeão) ou o holandês Jan Raas (bi-campeão). Atualmente temos o suiço Fabian Cancellara maltratando o orgulho flamengo. Mas isso é raro!

Importante: belgas da Wallonie não são bem-vindos! O único que eu tenho registro é Claude Criquielion, que venceu o Ronde em 1987. Deve ter outro, mas eu não encontrei.

Eu estava em Bruxelas em 2000 e assisti o Ronde pela TV cercado de belgas. É indescritível. Vemos pela TV que nas estradas juntam-se entre 500 mil e 1 milhão de pessoas. O número depende do clima (mais ou menos frio e chuva) e da existência de algum….

É disso que belga gosta: pilha de ciclistas no Koppenberg!!

 Leão de Flandres (Leeuw van Vlaanderen na língua local) – esta é uma distinção popular conferida para um verdadeiro campeão. Mas é para um ciclista que vá além da presença no alto do pódium. Tem que vencer no coração dos torcedores. É preciso ter carisma, iluminar o esporte e a alma dos torcedores Por exemplo, Stijn Devolder venceu o Ronde duas vezes, mas não está nem perto desta honra, pois o fêz graças a ajuda de Boonen, que era marcada por todos. Tem que vencer coim aquilo que os franceses chamam de ‘panache’, ou vencer com glória, luta e fibra. Tem que inspirar gerações de jovens ciclistas. Os últimos Leeuws foram Museeuw e Boonen.

Clássico: Boonen, um Leeuw van Vlaanderen, escalando o Kappelmuur, com a bandeira do Leão de Flandres ao lado

 Com um Boonen em forma e sem chuva pode esperar 1 milhão de pessoas e muito tráfego na região. Se ele estiver mal e chover….serão “apenas” 500 mil pessoas!

O calendário – houve uma mudança e agora a Ghent-Wevelgen (Clássica) é corrida uma semana antes do Tour de Flandres (amanhã). Sempre foi corrida entre o Ronde e a Paris-Roubaix. Acho que ganhou prestígio com isso.

As provas:

  • Dwars door Vlaanderen (A Travers la Flandre) – 23/03/11: uma das corridas menores, este ano ganhou um pelotão de prestígio. Foi vencida por Nick Nuyens, o ex-eterna-esperança dos Flandres, que agora corre para a Saxo Bank-Sungard. Nuyens foi co-equipier de Tom Boonen, venceu o Het Volk, Kuurne-Brussels-Kuurne, Paris-Bruxelas, GP de Wallonie, etc., etc., e todo mundo achava que venceria o Tour de Flandres também. Mas ele é mais um daqueles que tem dificuldade para superar a barreira dos 200 km (e Ronde, Roubaix, etc. tem 250+). Mas foi bom vê-lo de novo na ponta. Prometeu dar tudo hoje no E3, mas em nenhum momento foi protagonista.
  • E3 Vlaanderen Harelbeke – 26/03/11: foi corrida hoje com vitória (de novo) esmagadora de Fabian Cancellara. O suiço está numa forma assustadora. Favoritíssimo no Ronde do domingo que vem, resta saber se esta forma toda aguenta mais 15 dias até Roubaix. Estou certo que deixou a concorrência assustada hoje, em especial o Devolder que o viu partir sem esboçar reação. Bem fez o Boonen, que correrá amanha sem a presença destre monstro suiço.
  • Ghent – Welvelgen – 27/03/11: Clássica que havia perdido algum prestígio quando caiu fora do ProTour no passado, começa a reconquistá-lo ao fazer parte do WorldTour. É a prova mais simples e direta do calendário flamengo, pois o ponto-chave é o Kemmelberg/Mont Kemmel, que é escalado duas vezes. Os maiores ciclistas de Clássicas já venceram por lá. Cipollini já venceu em fuga com outros três (bizarro, não?) e de forma convencional para ele, i.e. no sprint de pelotão.
  • Driedaagse de Panne (Três Dias de Panne) – 29 a 31/03/11: três dias de vento forte na costa belga do Mar do Norte, e muitos paralelepipedos. Tem até um contra-relógio. Historicamente é o melhor indicador do vencedor do Ronde.
  • Ronde van Vlaanderen/Tour de Flandres – 03/04/11: Monumento do ciclismo mundial. Falaremos mais durante a semana que vem.
  • Scheldeprijs (G.P. L’Escault) – 06/04/11: costumava ser quase uma ‘kermesse’  (corridas festivas belgas) para celebrar quem havia se dado bem no ‘double’ Flandres-Roubaix. Com a mudança do calendário será corrida mais cedo, entre Flandres e Roubaix, no meio da semana, i.e. será importante para sentir as próprias pernas e as dos concorrentes, quem está bem e não tem bem visando a Paris-Roubaix.
  • Paris – Roubaix – 10/04/11: L’Enfer du Nord (O Inferno do Norte, em francês), ou a “Pascale”, pois é sempre corrida no domingo de Páscoa. É a única prova não belga que faz parte do calendário da paixão dos flamengos – o terreno torturante é 100% adaptado a estes ciclistas sofredores. Aliás, a prova é disputada na região chamada de Flandre Française (assim mesmo, sem o ‘s’). Falaremos mais sobre ela em breve.

Aos 31 anos Nick Nuyens volta a sorrir no Dwars doon Vlaanderen 2011

Amanhã e nas próximas 2 semanas têm muito mais emoção!

Abs, F.

About Fernando Blanco

Apaixonado por ciclismo há mais de 30 anos, começou a pedalar em 1977 em Santos, tendo corrido para valer até os 20 anos de idade, quando coisas 'banais' como faculdade, carreira executiva, casamentos e filhos atrapalharam um pouco...agora, como Senior B, está treinando forte e pretende compensar o tempo perdido. Como ciclista foi um bom sprinter, chegando à pré-convocação da Seleção Brasileiros de Juniores em 1979. Se a carreira como ciclista não foi grande coisa, a coleção de revistas locais e internacionais (mais de 1.000) e de videos/DVDs (mais de 100) proveram bastante cultura sobre o ciclismo profissional. Provas internacionais acompanhadas ao vivo: Mundial de Estrada ('07), Mundial de Pista ('89), Tour de France ('97 e '02), Liège-Bastogne-Liège e Flèche Wallone (ambas em '92), Paris-Nice ('97), Ronde van Belgie (´89).
This entry was posted in Corridas - Internacional, Cultura Ciclística, Notícias - Internacional and tagged , . Bookmark the permalink.

11 Responses to Começou a “Semana Santa” Flamenga!

  1. Olga Feitor says:

    Olá Fernando!! gostei muito….fiquei a saber muitas coisas que desconhecia.
    Como sempre o Fernando é um sábio nesta matéria…
    Obrigada e Beijinhos….

    Olga

  2. Juca says:

    E Cancellara mostrou hoje pros belgas que “está nos cascos”com um atque poderoso, azar de Gilbert e Boonen…

    • Olha, Juca, acho que está nos ‘cascos’ demais. Será que essa forma dura tanto tempo. Obvio que ele se conhece muito bem, mas confesso que estranhei ele colocar tanta força nos pedais no final de uma prova que (a) já estava ganha, (b) ele já venceu antes, (c) nem é Clássica. Enfim…Vamos ver amanhã como o Boonen se comporta amanhã.

  3. alex ernesaks says:

    gilbert é valão não?

  4. Albertone says:

    Hoje foi brilhante e com todas essas informações, a semana promete muita emoção.

  5. xampa says:

    Obrigado por dar essa aula, obrigado.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s