Roubaix 2011: Norte da França ou Sul da Bélgica?

Amigos, eu não escondo de ninguém o meu fascínio pelo ciclismo belga. Também sou ‘viúvo’ dos anos 70 como um todo. Talvez por ter passado a minha adolescência naquela época.

Meus ídolos eram Merckx, Maertens, De Vlaeminck…na música: Deep Purple, Black Sabbath, Nazareth…na F1: Emerson Fittipaldi, Jackie Stewart, Niki Lauda…e ainda eu vi os últimos 3 anos do Pelé no meu Santos FC dos anos 70. Não posso me queixar, né?!

Tenho todos os álbuns deles e toda a 'árvore genealógica' (Rainbow, Whitesnake, etc.)

Mas o assunto aqui é Bélgica e a Paris-Roubaix. Eu fiz uma rápida pesquisa e caí de quatro. Anotem aí:

1. Período 1957 – 1977:

  • Nestas 21 edições da L’Enfer du Nord, os belgas venceram simplesmente…18 vezes!!
  • De Vlaemick venceu 4 vezes, Van Looy (“Rik I”) 3 e Merckx 3
  • Vítorias únicas: Godefroot, Rosiers,  De Meyer, De Bruyne, Van Daele, Fore, Cerami, Daems
  • Os belgas venceram sem interrupção de 1968 a 1977: 10 edições! O hino e a bandeira da Reino da Bélgica já era deixado pronto para a homenagem final

Merckx em 75 causando dor em Maertens, Godefroot e, ao fundo, Roger Swerts (com a camisa de Campeão Belga)

2. Os ‘hereges’:

Ousaram ‘macular’ a ‘Terra Santa’ do ciclismo belga neste período:

  • Peter Post, da Holanda, em 1964
  • Felice Gimondi, da Itália, em 1966
  • Jan Jansen, da Holanda, em 1967

Só fera! E que souberam utilizar a rivalidade dos belgas a seu favor. Gimondi foi um campioníssimo, que venceu tudo (Giro, Tour, Mundial e várias Clássicas).

Quanto aos dois holandeses, os leitores mais jovens talvez não enxerguem a potência que foi o ciclismo batavo num passado nem tão distante. Espero escrever um post em breve sobre o ciclismo neerlandês, mas saibam que tudo começou com Post & Jansen nos anos 60. Eles inspiraram a geração de grandes campeões dos anos 70 e 80.

Gimondi: aos 23 anos dá show em Roubaix

3. Heróis recentes da Bélgica em Roubaix

A decadência do ciclismo belga depois de 1977 foi gritante, apesar do enorme sucesso de Maertens em 1981 e de algumas belas conquistas de De Wolf, Willems e Criquielion – estes eram chamados “herdeiros de Merckx” (mas nunca chegaram lá); era muito parecido com o que acontecia com qualquer jogador do Santos FC que depontasse: era o herdeiro do Pelé.

Em Roubaix, depois da vitória de De Vlaeminck em 77, os belgas só voltaram a vencer em 87, mas aproveitaram para mostrar a velha dominação e venceram 4 anos seguidos:

  • Eric Vanderaerden em 87 (da super equipe Panasonic, herdeira da antiga Raleigh): sprinter, venceu Ronde, Ghent-Wevelgen, Maillot Vert/Verde do Tour, etc.
  • Dirk Demol em 88 (da ADR, equipe de Greg Lemond): gregário, aproveitou-se da “fuga matinal” e resistiu a um furioso ataque de Fignon. Foi a grande exceção à regra que diz que não tem ‘zebra’ em Roubaix
  • Jean-Marie Wampers em 89 (também da Panasonic): foi quase uma segunda zebra seguida, mas Wampers era um ciclista forte, que aproveitou-se da guerra entre os gigantes (seria igualzinho Chavanel vencer amanhã se Cancellara e Boonen se anularem)
  • Eddy Planckaert em 90 (Panasonic): outro craque! Venceu Het Volk 2x, Ronde (pela ADR), Maillot Vert/Verde, etc. O sprint final desta edição foi justíssimo, com Planckaert batendo o forte canadense Steve Bauer (que corria pela equipe americana 7-Eleven)

Eric brilhando em Roubaix, com lama até na alma

Roubaix 1990: viva o photo-finish! Eddy, à esquerda, vence Bauer com o bi-campeão do Ronde Van Hooydonck em terceiro

Depois disso os belgas tiveram uma nova baixa de qualidade, mas em compensação surgiram dois megacampeões nas figuras de Johan Musseuw e Tom Boonen, com 3 vitórias cada um, i.e. 6 vezes nos últimos 20 anos: o país mais vencedor também neste período.

Musseuw: muita lama na 3a vitória, em 2002, pela Domo-Farm Frites

Detalhe: é só ciclista flamengo…não tem wallon neste ‘departamento’!

Estão vendo porque eu sou tão fanático pelo ciclismo belga? Quem sabe amanhã Boonen vence pela 4a vez, dando ainda mais brilho para esta história tão rica de um país tão pequeno e interessante.

Abs, F.

About Fernando Blanco

Apaixonado por ciclismo há mais de 30 anos, começou a pedalar em 1977 em Santos, tendo corrido para valer até os 20 anos de idade, quando coisas 'banais' como faculdade, carreira executiva, casamentos e filhos atrapalharam um pouco...agora, como Senior B, está treinando forte e pretende compensar o tempo perdido. Como ciclista foi um bom sprinter, chegando à pré-convocação da Seleção Brasileiros de Juniores em 1979. Se a carreira como ciclista não foi grande coisa, a coleção de revistas locais e internacionais (mais de 1.000) e de videos/DVDs (mais de 100) proveram bastante cultura sobre o ciclismo profissional. Provas internacionais acompanhadas ao vivo: Mundial de Estrada ('07), Mundial de Pista ('89), Tour de France ('97 e '02), Liège-Bastogne-Liège e Flèche Wallone (ambas em '92), Paris-Nice ('97), Ronde van Belgie (´89).
This entry was posted in Uncategorized. Bookmark the permalink.

4 Responses to Roubaix 2011: Norte da França ou Sul da Bélgica?

  1. José Carlos SBC/SP says:

    Belo texto Fernando, pena que acabou……

  2. Rogério Yokoyama-Palmas/TO says:

    Eles sabem tudo do negócio. Às vezes dá a impressão que já nascem sabendo .

  3. David_biker says:

    Johan Musseuw apesar de um problema no joelho, fez história mesmo!

  4. Gustavo says:

    É, tá difícil pro Boonem, faltando cerca de 60 km já teve um problema mecânico na bicicleta, parando por alguns minutos, e depois se envolveu numa queda. Vamos ver, ainda falta muito “pavé”…rs…

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s