John Gadret e os Anos de Ouro do Ciclismo Francês – Parte I

Amigos – o carequinha John Gadret, de 32 anos, tornou-se o novo chouchou da França, após a sua excelente performance no recente Giro d’Italia, quando ficou em 4o lugar e venceu a 11a etapa.

Gadret começou sua carreira no ciclo-cross, tendo sido 2 vezes campeão francês e obteve um 8o lugar no Mundial (temporada 2006/07). Após demonstrar qualidade nas escaladas do Tour, o ciclista da AG2R Prevoyance ganhou confiança, terminou em 13o lugar no Giro 2010 e vem evoluindo consistentemente.

Suas vitórias são raras, afinal, não sobe tão bem quanto os grandes nomes do pelotão; não é bom rolador e não sprinta nada. Assim fica difícil ganhar corrida de bicicleta, né?!…mas ele vem ciscando boas posições em Clássicas mais duras: tem um 8o e um 10o lugar na Flèche Wallone e um 11o na Liège-Bastogne-Liège. Além de um 14o e um 8o lugares no duro Tour de Romandie. 

Ninguém é perfeito – Mas todo mundo tem um “Lado B”, certo?! E o nosso Gadret aprontou uma muito feia no Tour de 2010, quando ele era gregario do Nicolas Roche – aliás, este Roche é filho do lendário Stephen Roche, que em 1987 repetiu a façanha única, que Merckx havia feito em 74: venceu o Giro, o Tour e Mundial de Estrada no mesmo ano.

A história é a seguinte: Roche era o líder da equipe, designado pelo diretor Vincent Lavenu, e Gadret era o seu greagario número um nas montanhas. Mas na 15a etapa, quando escalavam os 25 quilometros do temível Port de Bales, o pobre Roche teve o pneu da frente furado. Com Gadret na sua roda, Roche imediatamente pediu-lhe a roda da frente…mas o francês ignorou solenemente o pedido do seu líder irlandês, seguindo com o pelotão embalado à toda pela Saxo Bank de Andy Schleck.   

Com o carro da equipe AG2R muito distante, Nicolas recorreu à assistência da MAVIC, que é o serviço neutro oficial do Tour de France. Além do tempo que precisou esperar pelo tal serviço, o mecânico que o “ajudou” ainda errou ao centrar a roda e esta ficou raspando no freio. Para evitar mais perda de tempo, Roche soltou o freio da frente, afinal, estavam subindo e o freio era inútil. Mas depois, quando começou a descida alucinante da montanha, elese deu conta que estava sem freio dianteiro e quase caiu nas primeiras curvas. Aí parou, prendeu o freio e seguiu sua caçada solitária.

Roche e Gadret: no love...

Sua declaração para a imprensa: “Eu queria esmagar a cabeça de Gadret”…”Eu queria jogá-la para fora do onibus pela janela”…e por aí seguiu. Dizem que a ‘comida’ que Gadret levou do seu diretor (pelo rádio e no ônibus da equipe) foi lendária. E abaixo segue o link do artigo que Nicolas Roche escreveu para o jornal irlândes Irish Independent. Vale a pena ler para rir!

Drama de Nicolas Roche

Mas por que esta minha obsessão com Johan Gadret? Moçada, eu cresci e aprendi a amar o ciclismo com os franceses dominando os Grand Tours (e muitas Clássicas), a partir do declínio dos belgas. E há décadas que não aparece nenhum francês ganhando nada de relevante. Gadret é, portanto, notícia importante no pelotão internacional e neste blog.

E os Anos de Ouro? – quem tem menos de 40 anos de idade deve ter a pior impressão do ciclismo francês. Dos anos 90 para cá só deu Espanha, um tanto de Itália e Bélgica, além de outras nações espalhadas por aí. Mas francês que é bom mesmo não teve nada! Aliás, a França ciclística parecia resumir-se ao Tour de France e Paris-Roubaix. O resto seria café-com-leite.

Anos 50 e 60: os dois fenômenos internacionais:

Após a titânica dominação da Itália de Coppi e Bartali, a França produziria, quase em sequência, duas feras que marcaram época:

    • Louison Bobet: este bretão foi o primeiro tricampeão da história do Tour 1953/54/55 e causou furor na época. Também foi Campeão Mundial em 1954, além de vencer Clássicas como Milano-San Remo, Ronde, Roubaix, Lombardia e várias outras provas de grande prestígio na época.
    • Jacques Anquetil: sucessor de Bobet, o ciclista da Normandia foi o primeiro a vencer o Tour 5 vezes (1957, 61/62/63/64). Também venceu o Giro (1960/64) e a Vuelta (1963), sendo o primeiro ciclista a vencer as três Grandes Voltas. Outras grandes vitórias dele foram: Recorde da Hora, Liège-Bastogne-Liège, Ghent-Wevelgen e 9 vezes o G.P.des Nations, que era o verdadeiro “campeonato mundial de CRI”.

Bobet correu contra feras do mais alto calibre, como Fausto Coppi, os suiços Kobler e Koblet, o belga Rik van Steenbergen (Rik I) e o jovem luxemburguês Charly Gaul.

A mais dramática vitória de Louison foi a sua terceira no Tour, em 1955, quando desenvolveu uma assadura gigantesca na região anal, que impedia que pedalasse com o mínimo de conforto. Enfim, apesar do imenso sofrimento, Bobet atacou e venceu a etapa do Mont Ventoux (com chegada em Avignon) e destruiu seus principais oponentes, entre eles uma futura lenda do Tour (Charly Gaul.

Anos depois especulações davam conta que aquilo era o início do câncer que o matou anos depois – mas é especulação. De qualquer forma, o próprio Bobet viria a declarar que sua carreira nunca mais seria a mesma após esta vitória tão sofrida.

O Mestre Bobet o Aprendiz Gaul...luta em 1955

O grande Coppi disse o seguinte sobre Bobet: “Ele sabe como ninguém como sofrer e sua capacidade de recuperação é incomparável. A bicicleta é tudo para ele. É realmente o sangue da sua vida e sua aplicação é um exemplo todo aspirante a campeão”.

Coppi (vestido e pedalando Bianchi) puxa Bobet montanha acima

Já o seu sucessor Anquetil disse: “Aos olhos de Bobet não existiam corridas pequenas ou pouco importantes. Toda corrida importava e ele queria dar tudo para seus torcedores. Bobet só conhecia uma forma de correr e era para vencer, seja lá quais fossem os sacríficios que ele tivesse que fazer.”

Quanto a Jacques Anquetil, grande orgulho da região da Normandia, seus maiores rivais internacionais foram o mesmo Gaul e o mega escalador espanhol Federico Bahamontes. No entanto, o maior rival do normando foi outro francês: Raymond Poulidor. E que rivalidade estes dois desenvolveram!!

Mas isto é assunto para amanhã!

Au revoir, Fernando

About Fernando Blanco

Apaixonado por ciclismo há mais de 30 anos, começou a pedalar em 1977 em Santos, tendo corrido para valer até os 20 anos de idade, quando coisas 'banais' como faculdade, carreira executiva, casamentos e filhos atrapalharam um pouco...agora, como Senior B, está treinando forte e pretende compensar o tempo perdido. Como ciclista foi um bom sprinter, chegando à pré-convocação da Seleção Brasileiros de Juniores em 1979. Se a carreira como ciclista não foi grande coisa, a coleção de revistas locais e internacionais (mais de 1.000) e de videos/DVDs (mais de 100) proveram bastante cultura sobre o ciclismo profissional. Provas internacionais acompanhadas ao vivo: Mundial de Estrada ('07), Mundial de Pista ('89), Tour de France ('97 e '02), Liège-Bastogne-Liège e Flèche Wallone (ambas em '92), Paris-Nice ('97), Ronde van Belgie (´89).
This entry was posted in Uncategorized. Bookmark the permalink.

10 Responses to John Gadret e os Anos de Ouro do Ciclismo Francês – Parte I

  1. Rogério Yokoyama-Palmas/TO says:

    Maravilha de post.
    Estou aguardando ansioso pelo post sobre “O Texugo”.

  2. Eduardo says:

    Vamos ver como irão os franceses nesse Tour. Voeckler-Europcar (etapa?), Moncoutié-Cofidis (maillot à pois?), Fédrigo e Casar-FDJ (etapa?) Roche-AG2R (top10?)

    • Eduardo, você foi quase perfeito! Temos que prestar atenção no Jerome Coppel, da Saur-Sojasun, que é a grande esperança francesa para este Tour. Ele vai correr o Dauphine Libere. Fiquemos de olho!! Abraço!

      • Leandro Bittar says:

        Ele só perdeu para o Contador e bateu o Menchov na primeira prova do espanhol no ano…fugiu o nome.

        Por ele, a equipe ganhou o convite. Vamos ver o que apronta esse Copel.

        Outro ótimo post, Blanco. Só não crie falsas expectativas. Amanhã eu volto aqui hein? hehehehe

        E não esquece da minha ajuda!

  3. José Carlos SBC/SP says:

    Incrivel com a gente se desliga de tudo lendo essas histórias.
    Não precisa resumir que a gente tem muita paciência pra ler, abraço.

  4. Thiago says:

    Mais um belo texto, obrigado por compartilhar essas histórias conosco.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s