Vive Le Tour 2011: Tourmalet + Luz Ardiden

Caros,

Ontem (5af) tivemos uma etapa épica do Tour, porque pedalar 211 km e escalar no mesmo dia montanhas como o prestígio do Tourmalet e Luz Ardiden não acontece todo dia e não é para qualquer um. Meus destaques:

  1. A vitória ficou para o simpático Medalha de Ouro dos Jogos Olímpicos de Pequim, Samuel Sanchez, da igualmente simpática equipe basca Euskaltel Euskadi. Foi a primeira vitória dele no Tour e aconteceu logo nos Pirinéus – terra santa para os espanhóis. Foi uma grande emoção para todos! Confesso que eu o tinha riscado da minha lista de favoritos, pois andou muito mal no Dauphiné…vamos ver se não foi explosão de um dia ou se irá lutar mesmo pelo Maillot Jaune.
  2. Este Tour está muito estranho. Os favoritos dos últimos anos – Contador e Andy Schleck – parecem estar humanos demais. O espanhol demonstra enfrentar problemas sérios e o Schlequinho não está no seu auge, pois se estivesse tinha largado seus colegas de fuga. Além deles, Cadel e Basso são grandes ciclistas mas a idade avançada (os dois com 34 anos) faz com que estejam longe dos seus melhores anos. Se estão andando na cabeça do pelotão é porque este pelotão não está lá essas coisas. Em outras palavras, este Tour está surpreendentemente ABERTO.
  3. Apesar da etapa tão dura, o simples fato de caras como Thomas Voeckler e Damiano Cunego terem chegado entre os primeiros, perdendo apenas segundos para o vencedor Sanchez, é prova inequívoca que os favoritos para o Tour não escalaram no rítmo mais forte do mundo. Pior, o grande Phillipe Gilbert conseguir perder apenas 3 minutos, fato que seria impensável se o rítmo fosse mesmo como aquele que já vimos no passado. A não ser que Gilbert tenha se tornado um novo Sean Kelly ou Laurent Jalabert. Vamos monitorar o novo canibal belga.
  4. E por falar em Phillipe Gilbert, não é que a máquina de grandes ciclistas, conhecida como Omega Pharma-Lotto, quase emplaca a mais surpreendente das vitórias? Você já tinha ouvido falar de Jelle Vanendert? Eu não! Mas o belga flamengo de 26 anos, que veio ao Tour para ajudar o azarado Jurgen Vandenbroucke, fez um segundo lugar hoje que nem os seus pais imaginavam. Groet, Jelle!!!

    O Asturiano mais amado do País Basco...e olha a bandeira tremulando ao fundo!

Luz Ardiden do passado

Curiosamente, na primeira vez que uma etapa do Tour de France terminou em Luz Ardiden, em 1990, o percurso foi quase igual ao de hoje. Trinta e um anos atrás os ciclistas também escalaram antes o gigante Tourmalet, antecedido pelo igualmente famoso Col d’Aspin.

O Tour de 1990 foi marcado pelo surgimento de um ciclista italiano que sabia escalar, mas que ninguém tomara conhecimento antes: Claudio Chiappucci, da equipe Carrera. Claudio era, havia anos, gregario das feras Stephen Roche e Roberto Visentini e ninguém nunca achou que ele teria potencial para vencer um Grand Tour.

Foi só por isso que o pelotão deixou que ele escapasse na 1a etapa, em companhia de não escaladores como Frans Maassen (o vencedor da etapa), Steve Bauer e Ronan Pensec, abrindo 9 minutos!! Péssimo rolador e escalador limitado para os padrões de um Tour de France, o pequeno Claudio acabou por vestir o Maillot Jaune durante boa parte do Tour, ainda que perdendo terreno dia a dia.

Uma fuga que mudou o Tour (este e os próximos!)...

Quando chegaram na etapa de Luz Ardiden, sua vantagem sobre o favorito Greg Lemond (que usava o Maillot Arc-en-ciel e havia sido a grande zebra do Tour do ano anterior ao vencer o favoritíssimo Laurent Fignon por apenas 8 segundos) era de pouco mais de 2m30seg.

Burra, estúpida, imbecil – desculpem-me os termos rudes, mas esta é a única forma de classificar a estratégia de Chiappucci nesta etapa monstruosamente difícil. Sabidamente um escalador mais fraco do que Lemond, esperava-se que ele passasse o dia grudado na roda do americano, limitando a perda de tempo na subida final. Perderia quanto…1 minuto? Talvez. Era a última etapa de alta montanha e ele teria que tentar segurar o Maillot Jaune no último CRI. Óbvio, não?!

Não para o maluco italiano – e provavelmente para o outro maluco do Davide Boifava, seu diretor. A sequência de absurdos é a seguinte:

  1. No Col d’Aspin, Chiappuchi atacou o pelotão com outros ciclistas de 2a linha (entre eles um jovem belga chamado Johan Bruyneel) e se juntou com alguns fugitivos matinais para formar um grupinho que pedalou a fundo ao longo dos vales e do Tourmalet. Enquanto ele puxava como um condenado na ponta, lá atrás os favoritos Lemond e Pedro Delgado (corria pela Banesto e vinha de 3 pódiuns seguidos no Tour: 2o em 87, 1o em 88 e em 3o em 89) corriam na roda de seus gregarios.
  2. Capturado pelo grupo líder no pé de Luz Ardiden, Chiappucci superou-se…ele foi para a ponta do pelotão e passou a puxar como se fosse um gregario!! Nunca vi nada igual e acho que nunca mais verei!
Em fuga no Tourmalet…o maior suicídio estratégico da história do Tour

No meio da subida o grande colombiano Fabio Parra fez um ataque seco, na cabeça de Claudio, e foi seguido por Lemond…e por Delgado…e por Breukink…e por Alcala…e por todos os 20 ciclistas que ali estavam….menos o Maillot Jaune Claudio Chiappucci!!

Após inumeros ataques e contra-ataques, três ciclistas isolaram-se na ponta e partiram firmes rumo a Luz Ardiden: Greg Lemond, o experiente bi-campeão da Vuelta a España Marino Lejarreta (basco da então novata equipe ONCE, ainda na cor verde!) e um ciclista de 26 anos, de Navarra, chamado Miguel Indurain.

Don Miguel não era um completo desconhecido, pois já havia vencido uma etapa do Tour (em 1989) e a Paris-Nice de 1990. Ele era uma espécie de gregario de luxo de Pedro Delgado na Banesto. Surpreendeu o fato dele ter seguido na roda de Lemond ao invés de ficar com Delgado, puxando-o montanha acima para limitar as perdas para Lemond.

De fato, o diretor da equipe, o ex-ciclista basco José Miguel Echevarri, não via muitas chances de ‘Perico’ Delgado subir ao pódium ou vencer uma etapa, mas acreditava que Indurian poderia vencer em Luz Ardiden se aguentasse o rítmo imposto pelo americano.

E assim foi: Lemond puxou como um possuído, sempre pensando em diminuir a diferença de tempo para Chiappucci, levando o espanhol na carona. Faltando 200 metros de íngreme subida, Miguel atacou sentado, apenas mudando de rítmo e venceu com 50 metros de vantagem. Impressionante! Dali para frente, Indurain venceria 5 Tours em seguida, entrando para a história.

Lemond a caminho da glória, com Lejarreta à esquerda e Indurain grudado na roda

Lemond x Chiappucci – após Luz Ardiden Lemond havia reduzido a diferença para apenas 5 segundos. Numa etapa seguinte, de meia montanha, Lemond furou e Chiappucci botou a Carrera na ponta para puxar e deixá-lo para trás. Este ato foi altamente criticado pelo pelotão, caravana e mídia! No contra-relógio final, porém, Lemond trucidou o italiano, garantindo sua terceira e última vitória no Tour de France.

Notem que após a 1a etapa Greg Lemond estava 9 minutos atrás de Chiappucci e venceu o Tour com 2m16seg de vantagem! O terceiro lugar ficou com a eterna esperança holandesa Eric Breukink. No top 10 ficaram 4 espanhóis, com o gregario de luxo Miguel Indurain em 10o lugar.

A carreira de Claudio Chiappucci – apelidado de Il Diavolo (o diabo) – decolou após o Tour 1990, sendo um daqueles casos clássicos do ciclista mediano que passou a acreditar em si próprio. Seus melhores resultados:

  • Tour de France: 2x segund lugar, 1x terceiro lugar, 2x Classificação da Montanha
  • Giro d’Italia: idem + 1 Maglia Ciclamino (Classificação por pontos, pela regularidade)
  • 1x Vuelta al Pais Basco
  • 1x Milano-San Remo
  • 1x Classica San Sebastian

Video – o link abaixo é um achado e mostra em detalhes o que aconteceu naquele dia. Vejam Chiappucci conversando com seu ex-patron Stephen Roche (que venceu o Tour, o Giro e o Mundial em 1997)…e Kathy Lemond torcendo forte para o maridão.

http://www.youtube.com/watch?v=fAjj5137yKM

Foi uma grande emoção escrever este post, sem fazer pesquisa alguma. Explico: o video do Tour 1990, da Famous Cycling Videos, foi o primeiro da minha coleção e devo tê-lo assistido umas 100 vezes…acho que sei cada frase dita por Phill Liggett, The Voice of Cycling.

Valeu! Abs, F.

About Fernando Blanco

Apaixonado por ciclismo há mais de 30 anos, começou a pedalar em 1977 em Santos, tendo corrido para valer até os 20 anos de idade, quando coisas 'banais' como faculdade, carreira executiva, casamentos e filhos atrapalharam um pouco...agora, como Senior B, está treinando forte e pretende compensar o tempo perdido. Como ciclista foi um bom sprinter, chegando à pré-convocação da Seleção Brasileiros de Juniores em 1979. Se a carreira como ciclista não foi grande coisa, a coleção de revistas locais e internacionais (mais de 1.000) e de videos/DVDs (mais de 100) proveram bastante cultura sobre o ciclismo profissional. Provas internacionais acompanhadas ao vivo: Mundial de Estrada ('07), Mundial de Pista ('89), Tour de France ('97 e '02), Liège-Bastogne-Liège e Flèche Wallone (ambas em '92), Paris-Nice ('97), Ronde van Belgie (´89).
This entry was posted in Uncategorized. Bookmark the permalink.

13 Responses to Vive Le Tour 2011: Tourmalet + Luz Ardiden

  1. jucaxc says:

    Amanhã é aniversário de um cara… alguém chutaria quem é? sem consultar o google…. e lembrando que na sua primeira corrida o guri ganhou e o prêmio foi um sanduiche de presunto!

  2. Acho que você está completamente errado!
    Andy nao atacou porque simplesmente tinha o seu IRMÃO FRANK na frente algo que voce completamente ignorou neste seu post!
    Samuel sempre foi um dos favoritos quem faz 4º num ano transato tem obrigatoriamente de estar entre os favoritos.
    Contador acusa o desgaste do Giro nada de anormal, melhores dias virão e talvez mesmo HOJE!
    Damiano Cunego acompanhou os melhores não porque os outros são menos bons mas porque ele é um excelente trepador! Tal como demonstrou no Tour de Suisse. Para comprovar que o Ritmo foi bom onde estão homens como Levi Leipheimer?
    Gilbert esteve inserido numa fugo logo por isso apenas a perda de 3 minutos…
    Será que viu o mesmo TOUR QUE EU?

  3. Rogério Yokoyama-Palmas/TO says:

    Hoje (etapa 14) será um bom dia para analisar todas as hipóteses destacadas.
    Sobre a estratégia do italiano, acho que foi mais culpa do diretor do que dele, afinal o diretor é quem deveria, a priori, decidir as ações a serem executadas na prova.

  4. Thiago says:

    Fala Fernando, olha que incrível, você falando do Sanchez e do Jelle Vanendert, e hoje novamente os dois foram os protagonistas “de fundo” da prova. O Belga deu o troco e venceu a etapa de hoje.
    E como todo mundo fica com medo do Contador, o Voeckler vai cada vez mais se consolidando como virtual campeão, ele não perde esse tempo no CR, como não conseguem se livrar dele nas subidas, pode enfim voltar a ter um novo frances campeão do Tour, depois do Hinault, já pensou? Estou torcendo pra isso.

    E valeu por mais essa bela história.

  5. José Carlos SBC/SP says:

    Acho que Cadel está repetindo a estratégia que o Contador costuma usar quando está inteiro.. Como o Pistoleiro tem quas 2″ atras, o Evans não acredita que o Voecker consiga manter o mesmo ritmo da última semana, que, acredito será mais intenso. O Evans tira com facilidade a vantagen no CRI final de quem está na sua frente.
    O Contador é humano, vejo que os fãs dele ficam justificando sua condição fisica, da mesma forma que quando ele da as sapecadas dele os fãs do Armstrong aparecem querendo inventar comparações.
    Torço para o Evans, acho que o cara merece ganhar um Tour. Mas tambem torço pelo espetáculo, e nesse caso, virei um puta fã do Voecker e do Thor.
    O que o Chiappucci tinha de agressivo (e burrice) os tops de hoje tem de conservador (excluindo o Voeckler e o Thor neste ano é claro)
    PS: Fernando, vou relevar sua longa ausência pelo simples fato de ter colocado 2 posts, hehehe
    abraço.

  6. jucaxc says:

    Eu também tinha apostado no Evans pelo seguinte, todo mundo apostou no Contador e no Schleck!!! Mas vamos ver as duas montanhas da semana que vem…creio que é no Alpe D’Huez que as coisas vão se resolver, e se a diferença for curta em vantagem dos Schlecks, ae é ruim para eles, pois os 42,5 Km de crono em Genoble favorecem Evans e talvez Contador…
    Parabéns à Miguel Indurain, Miguelón está fazendo 47 anos hoje. Quem o viu correr foi contemplado, eu infelizmente não o vi, mas o admiro muito.

  7. Thiago says:

    Fernando, mudando um pouco de assunto, o Vino anunciou a aposentadoria depois do acidente dele durante o Tour. Que tal uma breve biografia desse baita ciclista? Abs

  8. Zé Carlos SBC/SP says:

    Fernando!!!
    Cadê você???

  9. Alguem ai sabe por onde anda o Fernando? to até preocupado…

  10. Sômulo N Mafra says:

    Cadê vc, Fernando???!!!

    Um abraço,
    Sômulo N Mafra

    • Thiago says:

      Da até um desânimo entrar aqui e ver que o Fernando não escreveu nada, ainda mais com as ultimas semanas tão movimentadas. Achei que com a vitória do Gilbert ele ia se animar.
      Volta Fernando!

      • Zé Carlos SBC/SP says:

        O Fernando está traduzindo suas Mirroirs para serem postadas aqui.
        Volta Fernandoi!!!!

  11. Fernando, o vídeo do Tour de 1990 também foi meu primeiro. Devo ter assistido umas 500 vezes.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s